Lemos no texto da Carta “Capetal”, escrito por Rosana Pinheiro-Machadopublicado 12/08/2016 13h10, que é hora de todos que concordam com a narrativa de “golpe”, devem ir para o “tudo ou nada”. Incitando a violência, greves, depredação. Tudo o que eles mais queriam era manter a implantação do seu projeto totalitário, que quase deu certo.

Ela entrega a farsa do golpe quando afirma “porque não estamos sob um regime ditatorial, apesar do golpe”. A narrativa de golpe já deu por água abaixo, pois Dilma sequer assumiu essa postura para fazer a Carta ao Senado, pois estava ficando feio para ela chamar de golpista os senadores, que estão seguindo o rito do impeachment conforme rege a constituição federal e regimentada pelo STF.

Mas tem mais, a bolivariana Rosana Pinheiro Machado, incita seus leitores a partir para violência, para a depredação, para a selvageria, é tudo ou nada: “O problema é quando isso se torna a única forma de resistência ante a uma votação que vai acontecer e que só será revertida se o mundo vier abaixo.” Vemos que ela quer ver o mundo vir a baixo, a interpretação disso, só pode ser muita, mas muita violência, como em uma guerra civil ou golpe de estado pela via das armas.

Para tentar convencer seus leitores, ela diz “Eu havia entendido que a luta não era por Dilma ou pelo PT, mas pelos direitos constitucionais”, sabendo que ninguém mais apoia a volta de Dilma e do PT, que não conseguem mais enganar seus seguidores, somente uma meia duzia de militantes ainda esbravejam por estarem perdendo suas boquinhas, ela usa o discurso de direitos constitucionais. Ninguém até o momento perdeu seus direitos constitucionais, exceto os corruptos que já foram julgados e estão presos, faltando ainda Lula e Dilma e mais alguns sicários. A população está exercendo todos seus direitos constitucionais, graças a derrocada do PT, pois se ainda estivessem no poder, talvez já estaríamos vivendo como na Venezuela, sem direitos constitucionais e na miséria.

Ela se morde de raiva que o Brasil está voltando a crescer com os poucos meses de saída do PT do poder, “Os votos já estão definidos e já se fala em crescimento econômico novamente. A população está calma e distraída com os Jogos Olímpicos. Não há a mínima chance de reverter essa votação sem reação avassaladora em massa. Há mobilização e motivação para isso?”. Então, o desejo dela de transformar o Brasil em um curral de escravos para servirem aos bolivarianos no poder, está derrotado. Por isso ela tem tanto ódio e raiva da falta de mobilização. Talvez as pessoas estão vendo que as suas vidas estão melhorando e não se sentem motivadas a ir as ruas pedir a volta de Dilma e do PT, pois esse é o motivo e não os direitos constitucionais que jamais foram retirados.

http://www.cartacapital.com.br/politica/o-fora-temer-e-os-limites-do-engajamento-alegorico

Anúncios