O partido da presidência da republica propôs na ultima sexta o “programa nacional de emergência”, ao mesmo estilo bolivariano que Maduro faz na Venezuela, quando em 15/01/2016 decretou o estado de “emergência econômica”, passando por cima da Câmara de Deputados que não aprovou o pacote autoritário, mas com o apoio dos juízes do Supremo de lá, deram aval aos planos de Maduro para esse tomar as propriedades, os bens de consumo, bens produtivos e transportes que lhe interessar, além de importar produtos sem passar pelos tramites públicos previstos na constituição.

Esse golpe na democracia é típico de governos socialistas, que ao se instalarem, iniciam mudanças nas leis para aumentar seus poderes totalitários, destroem a economia para reduzir a todos ao nível de miséria, confiscam o patrimônio alheio para sustentar o partido e seus camaradas, sobrecarregam a maquina publica para quebrá-la e assim conseguir taxar cada vez mais a população. Implodindo o setor produtivo, gerando desemprego, aumento da violência, caos na saúde pública, na educação, acelerando a degradação da sociedade e o roubo através dos impostos.

O programa do partido do governo intitulado “Em defesa da democracia”, é somente uma rotulagem positiva com um engodo para um retrocesso ainda maior na economia. As 16 propostas englobadas não têm fundamentos econômicos lógicos, pois prevêem somente aumento de gastos públicos, aumento de impostos, com progressão de taxas e a criação de novos.

O objetivo implícito é acabar de vez com a economia. Quando se aumenta as taxas progressivamente, ocorre o desestímulo ao crescimento penalizando quem ousar investir e correr o risco de crescer, derrubando os empregos, a geração de riqueza e a renda. Aumentando os gastos do governo, que vem cometendo pedalas fiscais a bastante tempo, gera-se mais inflação, penalizando os mais pobres pela desvalorização dos salários, os mais pobres estão na ponta da distribuição do dinheiro, são os últimos a recebê-lo e, a inflação é o pior imposto praticado na economia e é deliberadamente provocado pelo governo. A criação de novos impostos desestimula a economia, os consumidores deixarão de comprar produtos devido a alta dos preços, preferirão comprar da clandestinidade para poderem fazer mais com menos dinheiro que possuem.

Assim o governo desestimula a economia quebrando o comercio e o setor produtivo. Vamos ver se o governo acatará este “programa de destruição da economia” que é “Em defesa do totalitarismo” bolivariano.

Os deputados devem ficar atentos as armadilhas das políticas socialistas que tentam a todo custo destruir a sociedade, a economia e a democracia. Ainda há esperança que as instituições não estejam todas aparelhadas e a democracia seja respeitada. Nosso STF já provou estar aparelhado com o Estado quando passou por cima do Congresso no rito do impeachment e rasgou a constituição, mas no caso da economia, veremos se no futuro não agirão como os nossos vizinhos venezuelanos.

Publicação original na coluna Visão Política da Gazeta Informativa impressa de 03/03/2016.

link: www.gazetainformativa.com.br

 

Anúncios